115 | Assista A CABANA como ele de fato é: Apenas um filme!

Eu recebi uma enxurrada de críticas quando elogiei o filme A CABANA e depois, por curiosidade, eu fui pesquisar na internet os motivos por que ele é tão odiado…

… Ele é defenestrado como um filme ‘diabólico’ porque as pessoas esquecem de assistir A CABANA como ele de fato é: Apenas um filme!

Um filme é um  é um produto audiovisual finalizado, com uma certa duração, para ser exibido no cinema, na televisão ou em algum outro veículo. Ele pode ser ficção (algo que não existe na vida real) ou pode ser baseado em fatos reais.

Ele tem a função apenas entreter. Ser uma diversão.

E eu notei discussões teológicas infindáveis por que querem ‘ajustar’ brigas de correntes teológicas diametralmente opostas entre si, e querem descarregar essas discussões em cima de um filme… Em cima de um filme?

Eles não conseguem chegar à um fator comum em uma discussão teológica e querem colocar um filme no meio dessas discussões?

Se Deus é visto na bíblia como homem ou mulher (feminino ou masculino) e querer colocar o filme no centro dessa discussão, é uma bobagem sem limites, há começar, qual é o versículo que diz que DEUS pertence a um sexo?

Ele é Espírito e como tal não é relacional a qualquer sexo… Mas se formos por esse caminho, vamos esbarrar nas discussões que eu estou recriminando…

Assista A CABANA como ele de fato é: Apenas um filme!

A história me faz um bem enorme, eu já assisti entre 10 e 15 vezes e todas as vezes eu chorei e isso não é piada.

Choro aos prantos… O filme tocou a minha alma.

Eu me coloco, todas as vezes que assisto, no lugar do personagem Mackenzie “Mack” Allen Phillips, um homem que vive atormentado após perder a sua filha mais nova, cujo corpo nunca foi encontrado, mas há sinais evidentes de que ela teria sido violentada e assassinada.

Vestígios do crime são encontrados em uma cabana nas montanhas.

O FBI descobre que a filha mais nova de Phillips, Missy, foi vítima de um serial killer. 

Anos depois da tragédia, ele recebe uma carta misteriosa para retornar ao local do crime, e essa carta é assinada por ‘papai’, o apelido carinhoso que a sua esposa Nan, atribuiu à DEUS…

Na cabana, consciente ou inconscientemente, sonhando ou acordado, Mackenzie vai receber uma lição de vida, que vai mudar toda a sua vida e de seus familiares.

Para mim, foro íntimo, o ponto alto dos filmes são os ‘diálogos’ com Jesus. Chorei até na cena clássica de Jesus e “Mack” correndo sobre as águas. Achei uma cena linda e que REPRESENTA o vínculo e amizade de Jesus com o ser-humano. “Mack” tem que confiar em Jesus para andar sobre as águas.

O filme me fez ter uma ideia mais relacional com o filho de Deus. Depois desse filme, eu olho para Jesus como um amigo (DEUS) que veio a terra como carne e osso.

O filme teve esse ‘poder’ de despertar em mim, essa atitude relacional, não apenas de um DEUS (filho) que está nos Céus, mas de um ser-humano que também é DEUS e que nos ama incondicionalmente e que ainda está ao nosso lado.

Não quero e não vou entrar no mérito da questão, por ser pessoal, mas eu queria te dar uma informação: Eu assisti esse filme, pela primeira vez, na mesma semana que a minha filha de criação, Ana Carol, morreu aos 23 anos, vítima de um motorista bêbado e como o personagem Mackenzie, eu queria matar o cara que causou o acidente da Carol...

E como o “Mack” eu ouvi aquela voz: PERDOA.

Para mim é a maior obra cinematográfica de todos os tempos, por que toca em assuntos ‘sensíveis’ ao meu coração: Deus, Jesus, O Espírito, Perdão, Perda de uma filha..

Assista A CABANA como ele de fato é: Apenas um filme!