116 | Deixa eu te contar como foi a minha internação e alta

Na madrugada de 30/07 para 01/08, por volta das 02h45, eu precisei chamar o Resgate – 193 pois estava passando muito mal (dor no peito, falta de ar e tonteira) e fui rapidamente encaminhado para o PA SUL e fui muito bem atendido pelos 3 plantões que me atenderam nessas 48 horas internado.


Agradecimentos especiais a Chefe de Enfermagem da Sala Vermelha, Cirlene (Foto de capa), um anjo de doçura, competência e carinho… Ela merece elevados elogios (É o cuidado de Deus em atividade).


Os 3 médicos que me atenderem, TODOS ELES (em caixa alta) foram educados, prestativos e muito interessados em saber o que realmente estava acontecendo com a minha saúde, e o maior exemplo disso foi que em 48 horas fiz 5 punções (ser furado 5 vezes não é nada legal) e fiz 12 exames no total…Olhem as fotos la embaixo e vejam como ficaram os meus braços.


Tem algo que merece ser citado: DEUS FOI BOM COMIGO O TEMPO TODO… O médico q estava me atendendo, solicitou 5 remédios e o hospital não tinha nenhum desses remédios, ele me orientou a pedir a alguém ou eu mesmo ligar e comprar, por que seriam imprescindíveis durante o tratamento, e acreditem em nome de Jesus, liguei para um amigo farmacêutico, paguei e ele mandou entregar na hora – LOUVADO SEJA DEUS – CHOREI DE ALEGRIA COM O CUIDADO DE DEUS…


Após os exames o que foi constatado com LAUDO CONCLUSIVO: Eu tenho artérias entupidas (mas falta o ECO ESTRESS FARMACOLOGICO COM DOPLLER – que é o laudo oficial) e foi descoberta uma INSUFICIÊNCIA CARDÍACA CONGÊNITA – CRÔNICA que eu vou ter que conviver com ela enquanto eu viver nessa terra, por isso, uma série de recomendações foram feitas (estilo de vida, medicação e perda de peso)… Mais 2 medicações foram associadas aos 8 remédios que eu tomo diariamente. Mas tudo bem… Vamos nessa…


Na tarde/noite de ontem, por volta das 18h (02/08), inesperadamente, foi feito um novo exame (a pedido do médico que estava mais próximo a mim) e dentro do meu quadro de cardiopatia crônica, TODOS OS NÍVEIS (tiveram como resultados os mesmos resultados obtidos as 14h) e eles estavam normais (PA 11×8, Saturação do Oxigênio 90% e batimentos cardíacos 90, sem dor e sem falta de ar) e por isso eu fui liberado com a recomendação de retornar em caso de dor ou falta de ar.


Na hora da minha alta, eu beijei e abracei (Além de abençoar) todos os médicos que me atenderam e que estavam no hospital e a enfermeira-chefe (os médicos receberam o meu carinho, mas constrangidos, disseram que nunca receberam isso de ninguém) e a enfermeira… chorou.


Fui encaminhado para o consultório 7, para receber o documento de alta e as recomendações, e no corredor daquele hospital, sem exageros e sem chamar a atenção (sem show), eu fechei os meus olhos e fervorosamente eu não agradeci pela minha alta, eu apenas comecei a ORAR E AGRADECER PELO CUIDADO DE DEUS COMIGO E COM TODOS OS PACIENTES ALI INTERNADOS (alguns em estado crítico) mas nas 48 horas em que eu estive ali, não teve nenhum óbito.


Agradeci por cada médico, enfermeiro e auxiliar que me atendeu, até mesmo a BRUNA uma auxiliar de enfermagem da Sala Vermelha, grossa, mal educada e que me tratou rispidamente todas as vezes que precisei interagir com ela…


Eu cheguei a flagrá-la batendo com uma garrafa em um paciente que “não queria acordar” para tomar a medicação.


Ela me viu e me disse: “Ele está sempre aqui e dá muito trabalho”, como se isso fosse justificativa… Até pensei em denunciá-la, mas fiquei com pena…


Porque eu percebi que ela estava com um olhar triste e percebi que ela apenas estava reagindo o seu modo de vida, ou seja, ela estava infeliz na vida dela e estava ‘descontando’ nas pessoas…


Não mudei o meu jeito de trata-la e comecei a orar por ela, depois eu a ouvi conversando com outra enfermeira o ‘caos’ que estava a vida dela.


Cheguei a noite em casa, tomei banho, comi uma maça, uma banana, uma goiaba e uma Pêra e deitei… Apaguei e acordei agora, por isso não escrevi ontem e nem tive condições de falar com ninguém.


Mas essa experiência toda, de 48 horas, deixou claro o CUIDADO DE DEUS COMIGO EM TODO O TEMPO, essa patologia descoberta INSUFICIÊNCIA CARDÍACA CONGÊNITA – CRÔNICA não me deixou assustado, por que TUDO ESTÁ NAS MÃOS DE DEUS e eu sei que CRISTO está ao meu lado e DEUS no controle de tudo…


Foi isso o que eu vim te contar.