118 | Vai com Deus, meu irmão…

Jô Soares, nascido José Eugênio Soares, veio ao mundo em 16 de janeiro de 1938 no Rio de Janeiro. Era um torcedor ferrenho do Fluminense.

Jô Soares, como ficou conhecido, foi humorista, dramaturgo, apresentador de televisão, escritor, músico, cantor, diretor e ator.

Mas para mim, foi como entrevistador que Jô Soares atingiu seu auge.

A prova disso, que de todas as profissões e atividades que ele desempenhou, foi como apresentador que ‘ele se encontrou’, ficou no ar por décadas, tanto na Globo como no SBT, e fez mais de 14.426 mil entrevistas.

Existem municípios brasileiros que não tem 14 mil habitantes.

É a maior prova do legado que ele deixou como entrevistador.

Citar alguma ou algumas entrevistas seriam desmerecer as demais, não existe uma entrevista especial, ele tinha o dom de fazer todas as entrevistas especiais.

Lógico, que de foro íntimo, eu tenho as minhas ‘especiais’, mas como disse, citar seria desmerecer as outras.

Eu tive o privilégio de viver numa geração que conviveu com: Jô Soares, Arnaldo Jabor, Ricardo Boechat, Chico Anysio e tantos gênios da sétima arte, jornalismo e entretenimento.

Vai com Deus, meu irmão…

Beijo do “outro’ gordo!

Léo Vilhena


ACRÉSCIMO: “Quantas madrugadas assistindo entrevistas inteligentes e educadas sem apelos sexuais, sem palavrões.” Alcione Ferreira, frase extraída de uma postagem no Facebook.